Família, torna-te aquilo que és! (Parte final)

September 14, 2015

 

CONCLUSÃO

 

            É certo que muitas das vezes não encontramos na sociedade o ideal familiar proposto pela Igreja. É certo também que esta realidade negativa está presente, não somente nas famílias, mas em todo segmento cristão. O que fazer então? Diminuir o Cristo? Rebaixar as exigências evangélicas?  

            O caminho da amizade pode ser uma luz em meio às trevas que permeiam nossos lares: “Não há maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos” Jo 15, 13. Para que a família seja um verdadeiro sinal de amor, é necessário que os esposos sejam verdadeiros amigos, como Cristo é nosso amigo. Uma amizade provada na cruz, na doação total de si:

O amor conjugal autêntico supõe e exige que o homem tenha um profundo respeito pela igual dignidade da mulher: «Não és o senhor - escreve Santo Ambrósio - mas o marido; não te foi dada como escrava, mas como mulher... Retribui-lhe as atenções tidas para contigo e sê-lhe agradecido pelo seu amor». Com a esposa o homem deve viver «uma forma muito especial de amizade pessoal». O cristão, é, além disso, chamado a desenvolver uma atitude de amor novo, manifestando para com a sua esposa a caridade delicada e forte que Cristo nutre pela Igreja. (Familiaris Consortio, artigo 25, parágrafo 3).

            Mas para que a amizade cresça é necessário estar próximo, caminhar junto. Próximo um do outro, próximo da Igreja e próximo de Jesus. Quanto mais próximo se está do outro, mais as intenções do coração se convergem. Quanto mais próximo se está da Igreja, mais se conhece, ama-se a sua doutrina e procura-se viver aquilo que a família é:

Se considerarem todas estas coisas, Veneráveis Irmãos, com ponderação e fé viva; se estes preciosos bens do matrimônio, a prole, a fidelidade e o sacramento, forem postos na devida luz, ninguém poderá deixar de admirar a sabedoria, a santidade e a bondade divina que tão abundantemente providenciou que ao mesmo tempo se mantivesse a dignidade e a felicidade dos cônjuges e se obtivesse a conservação e propagação do gênero humano, somente pela casta e sagrada união do vínculo nupcial. (Casti Connubii, artigo 44, parágrafo único).

 

Fernando Soares Emerick

Fundador da Comunidade Amigos de Jesus

Please reload

                  ARTIGOS                 

Matrimônio, Fruto da História da Salvação (Parte III)

May 6, 2019

1/4
Please reload

Please reload