O Mistério da Trindade Santa

September 14, 2015

 

 

   A Igreja celebra a Solenidade da Santíssima Trindade, no domingo seguinte ao dia de Pentecostes. Neste ano de 2015, tal celebração será realizada no dia 31 de Maio. Preparemo-nos, portanto, desde já para celebrarmos a plenitude do amor que se encerra na Trindade Santa.

     A invocação da Santíssima Trindade está presente desde o início do cristianismo. Vemos nos evangelhos, especialmente no evangelho de São João, Jesus e sua relação unitiva com o Pai, e a comunhão com seu Espírito Santo. A Trindade está presente nos Atos dos Apóstolos, nas cartas de Paulo e em toda a história da Igreja.

     Como podemos entender um Deus uno em três pessoas? Para explicarmos sobre o assunto, voltemos os nossos olhares a raiz de nossa fé, o Credo. Nesta Profissão de fé, denominada Credo Niceno-Constantinopolitano, tem uma evocação que diz “Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos”. Quando a Igreja reza sua profissão de fé, professamos um Deus soberano e único, pois, o chamamos nosso ÚNICO SENHOR.

     Na narração da criação do mundo no livro de Gênesis, o escritor sagrado fala de Deus na primeira pessoa do plural (nós): “Deus disse: Façamos o ser humano a nossa imagem e segundo nossa semelhança” (Gn 1, 26a); por isso, que dizemos que Jesus é nascido do Pai, antes de todos os séculos, ou seja, no princípio Jesus já existia junto de Deus Pai. Deus sempre foi uno em três pessoas, o maior sinal de união. É como um amor em família, do mesmo modo que uma mãe ama seu primeiro filho, ela também ama o segundo e o terceiro, é um só amor, o amor de mãe.

     Santo Agostinho, grande filósofo e teólogo, doutor da Igreja, viveu nesse mesmo período em que ocorreu o Concílio de Niceia e de Constantinopla, e em Agostinho encontramos uma vasta teologia sobre a Trindade, mas, só um ponto nos importa agora, que também foi um ponto, realmente, relevante para Agostinho. Esse doutor da Igreja queria a todo custo explicar, filosoficamente, o mistério da Trindade.

     Certa vez, quando andava viu um garoto tentando colocar toda a água do mar em um buraco na areia. Agostinho disse ao garoto que isto era impossível. Ao dizer tal coisa entendeu que ele era este garoto e que ao tentar explicar a Trindade fazia o mesmo que o menino fazia, aliás, seria mais fácil o garoto conseguir o que queria, do que Agostinho entender o mistério trinitário. Poderemos compreender a Trindade, em toda sua plenitude, somente no céu quando estivermos unidos ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.

     Penso que ao professar nossa fé neste Deus uno e trino, estamos abraçando o Amor e a própria Divindade de Deus. Sendo Deus todo poderoso se dá a cada um de nós, por amor. Por isto, referimos à Trindade Santa como o próprio Amor, pois, o amor não se divide, mas, une cada vez mais. Unamo-nos a este Deus que é uno, que é O amor, e que por amor se faz três pessoas, para nos ensinar a amar.

     Do mesmo modo como iniciamos a Santa Missa, e como São Paulo termina sua segunda carta aos coríntios, concluo este artigo: “A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vós.” (2Cor 13, 13)

 

Leandro Marinho

Comunidade Amigos de Jesus

Please reload

                  ARTIGOS                 

Matrimônio, Fruto da História da Salvação (Parte III)

May 6, 2019

1/4
Please reload

Please reload