Mês de Novembro da Missão Terra Santa

December 5, 2016

       Nesse artigo referente ao mês de novembro da Missão Terra Santa, tratarei sobre a Faculdade de Teologia e os meus estudos.

       No artigo referente ao mês de outubro, tratei brevemente sobre as excursões que fazemos nos locais santos. Tenho aprendido muito com essas excursões: primeiro com relação ao contexto geográfico de cada local da Terra Santa, o que ajuda muito na leitura e no estudo bíblico; depois o contexto histórico-cultural, que ajuda a entender as diversas mudanças que os locais santos sofreram do início até os dias de hoje; e em terceiro lugar entra o crescimento espiritual, que se desenvolve a partir do conhecimento intelectual, ou seja, quando conheço a base histórica de cada local santo, posso rezar com a história e o verdadeiro significado daquele local, o que é muito profundo e ao mesmo tempo concreto.

       Muitas pessoas, quando vêm em peregrinação para a Terra Santa, ficam tão encantadas com os locais santos e suas peculiaridades, que querem tirar foto de tudo, e realmente isso é muito compreensível. Tem pessoas, inclusive, que querem voltar depois só para rezar naqueles locais e escutar, atentamente, a explicação dos nossos guias, sem levar máquina fotográfica. Pela graça de Deus, eu posso fazer essa experiência, não que eu não tire fotos, mas, me refiro às grandes riquezas de cada local. De fato, essas riquezas nos permitem adentrar, a cada momento, no mistério salvífico de Deus.

       Na última semana de novembro, por exemplo, visitamos a Basílica do Santo Sepulcro. Já tinha visitado a Basílica de forma guiada, mas, dessa vez foi muito diferente. Pude entender melhor cada detalhe da Basílica, detalhes que vejo todos os dias, mas, não sabia o que significava ou até mesmo se significava algo. Isso é realmente muito interessante e por meio desses detalhes, Deus me leva a crescer na vida de oração. É certo que as vezes é até difícil de rezar diante desses locais, devido ao grande número de peregrinos que passam por ali, mas, o simples fato de saber o seu significado, já nos leva à oração.

        Na faculdade, tenho professores muito bons. Cada professor de uma simples disciplina é realmente especialista naquela área. Tenho aula de Sagrada Escritura, Teologia Fundamental, Teologia Moral, Direito Canônico, Liturgia, Música Sacra, Grego Bíblico e Italiano, sem falar sobre as aulas de arqueologia que fazem parte das nossas excursões semanais. Como estou no primeiro ano, essas disciplinas estão apenas em um nível introdutivo e serão aprofundadas no decorrer dos próximos anos.

       Graças a Deus, o idioma, hoje, não é uma grande barreira para o conhecimento, já estou compreendendo, pensando e falando italiano, mas sei que preciso continuar estudando. Nessa última semana de novembro, por exemplo, apresentei um tema no nosso Seminário Bíblico sobre o primeiro capítulo da carta de São Paulo aos Filipenses. Penso que essa foi a maior prova até hoje para saber se estou falando e escrevendo Italiano de forma clara e compreensível e se meu trabalho está no nível da faculdade. E graças a Deus, me saí bem. Sei que ainda existem muitos outros desafios que devo vencer, mas isso faz parte da vida, não é mesmo?

       Como eu já disse em outros artigos, cada aula é uma verdadeira pregação, mas, o que mais me impressiona é o modo como os professores ministram as aulas. Quando estudamos certos assuntos, eles falam de um modo muito pessoal e intenso, se maravilhando, depois de tantos anos, com um conteúdo que para eles já deveria ser desgastante, mas, pelo contrário, eles falam como se tivessem descoberto aquilo no dia anterior. Tem professor que fala da doutrina de São Paulo como se tivesse conhecido Paulo pessoalmente, e outro, fala da história da liturgia como se tivesse vivido naquela época. Isso é muito belo!

       Quase todas as minhas experiências de intimidade com Deus partiram da Sagrada Escritura ou do conhecimento da Tradição da Igreja Católica. Deus usa dessa didática comigo para que eu possa ser mais amigo dele: a partir do conhecimento humano e intelectual chego a experiência espiritual. Isso mostra como Deus fala intimamente com cada um de nós, a partir da nossa história e do autoconhecimento, por isso a importância de conhecer a si mesmo para conseguir ver os sinais de Deus e crescer na vida de oração. Assim, vivemos a nossa missão de cada dia!

 

Leandro Perpétuo

Comunidade Amigos de Jesus

Missão Terra Santa

Please reload

                  ARTIGOS                 

Matrimônio, Fruto da História da Salvação (Parte III)

May 6, 2019

1/4
Please reload

Please reload