O Mistério Divino e Humano da Maternidade (Parte VII - Final)

January 22, 2018

A Maternidade Humana: Aspectos divinos (Parte B)

 

       A compreensão do mistério da concepção e da vida humana, altera completamente o curso da história de uma mulher. A gestação para a mulher que compreende o mistério da vida, já não significa somente, esperar a chegada de um bebê, tendo em vista somente o desenvolvimento intrauterino até o momento que ele esteja a termo; Trata-se do cumprimento do projeto criador de Deus, que ao encontrar abertura humana, manifesta o seu amor à humanidade, enviando uma nova vida sobre a terra.

       Os pais de Santa Teresinha, o casal São Luís Martin e Santa Zélia Guérin souberam compreender perfeitamente esse mistério da vida. Em uma das suas cartas à cunhada, Santa Zélia descreve o seu programa de contemplação, ensinado pelo Monsenhor Gay:

       Principalmente nos meses, que precedem mais de perto o nascimento, seria necessário que a jovem mãe conservasse a sua alma como que impregnada de Deus, cuja obra, cuja imagem, cujo bem – o filho – ela traz dentro de si. Seria preciso que ela fosse para o produto das suas entranhas um templo, um santuário, um altar e uma espécie de tabernáculo: que possuísse, por assim dizer, a vida de um sacramento vivo, de um sacramento em ato, mergulhando no próprio seio de Deus que realmente a constitui e a consagra como tal, para nele sorver as energias, as claridades, as belezas naturais e sobrenaturais que ele quer comunicar, precisamente por meio dela, à criança que nela vive e vai nascer. (Piat, Pe. Stéphane Joseph. História de uma família).

       Cada gravidez se insere num determinado momento da vida familiar, é diferente e tem o seu próprio significado, evocando para a mãe, sua própria história e os remetendo a ela. O lugar que cada filho ocupa é único e carrega consigo marcas próprias da sua linhagem. Cada filho vem para expressar com o seu jeito próprio de ser, o que Deus quer comunicar àquela família que o recebeu. Portanto, é na gestação que a maternidade se torna um momento por excelência, para que a mulher compreenda o duplo significado da maternidade no plano humano e divino. Ela ainda não pode tocar o fruto das suas entranhas, mas, sente e vive de maneira antecipada as alegrias do filho que vai chegar.

 

       Esse filho necessitará de um suporte afetivo adequado, para que se solidifiquem os ensinamentos dos valores, a formação do caráter e da moral. Mesmo uma mãe instruída e qualificada com formação acadêmica e outros conhecimentos afins, seria incapaz de colocar em prática a formação de um filho, se não recebesse uma ajuda oportuna. Para isso, dispomos da ajuda maternal de Maria, modelo exemplar de mulher e mãe. É na Escola de Maria, que a mulher recebe a capacitação necessária para exercer com sabedoria a nobre missão de educar.

       Ora, sabemos que o menino Jesus crescia em sabedoria estatura e graça diante de Deus e dos homens e era submisso aos seus pais. Todas as características humanas de Jesus, são adquiridas graças a formação recebida de seus pais e de uma maneira especial de Maria. Na Escola de Maria, o Menino Jesus cresceu com um coração manso e humilde. Foi na vida escondida da casa de Nazaré que Jesus recebeu a afetividade e a estrutura emocional para suportar os embates e provações que teria de suportar no tempo de sua vida pública. Nos momentos mais importantes da vida de Jesus, lá estava Maria, ordenando que fizessem tudo o que ele dissesse como fez nas bodas de Caná. Na sua última hora, Maria permaneceu de pé junto a cruz e em silêncio, aguardava o desfecho daquela dura cena, sofrendo junto ao seu filho as dores daquele martírio.

       Não há como negar que o suporte materno de Maria ajudou Jesus a completar fielmente a sua nobre missão de fazer a vontade a do Pai. Seria esse o segredo da fidelidade de Jesus-Homem no cumprimento do plano redentor? Tal especulação não nos afasta das verdades a respeito da Divindade de Jesus, mas, sustenta a certeza de que o papel da figura materna na vida do ser humano pode fazê-lo superar qualquer situação, mesmo aquelas mais difíceis. A presença materna na vida do filho, o fortalece e sustenta no tempo das adversidades. Gera segurança e certeza de que não se está sozinho. Sendo assim, torna-se condição indispensável para a realização de todo e qualquer projeto de vida.

Kelly Emerick

Fundadora da Com. Amigos de Jesus

 

 

VER PARTE VI          VER PARTE I

 

 

ADQUIRA JÁ O SEU LIVRO 

 

 

Please reload

                  ARTIGOS                 

Matrimônio, Fruto da História da Salvação (Parte III)

May 6, 2019

1/4
Please reload

Please reload