Em quem votar?

September 27, 2018

       Estamos nos aproximando das eleições 2018 e muitas pessoas me perguntam em quem votar. Nunca foi tão difícil responder a uma pergunta! A situação da política brasileira só não é mais crítica graças à misericórdia de Deus. Todo o sistema está corrompido e não há partido que possamos confiar. Quase ninguém que se interessa por entrar na vida pública, o faz por virtude, ao contrário, buscam uma forma de enriquecimento ilícito. Está inscrito na Constituição Federal o estado de inocência: “Todos nascem inocentes até prova em contrário, representada pela condenação criminal com trânsito em julgado (art. 5o, LVII, CF)”. Porém, quando se trata do meio político podemos afirmar sem medo de incorrer em falso julgamento: Todos são culpados até que se prove o contrário.

       Diante desse quadro, o que devemos fazer? Creio que nesse caso, é mais fácil dizer o que nós, cristãos católicos, não devemos fazer. Em primeiro lugar, penso que não podemos rebaixar os valores cristãos para nos adequar a uma realidade mundana. Quero dizer, não devemos nos conformar com a mediocridade que nos é apresentada. Não concordar com pensamentos que dizem, por exemplo: “rouba mas faz”, “mente, mas, todos mentem”. Cito aqui um pensamento de Andre Saut (confesso não saber sobre esse autor): “Definitivo é aquilo que o conformismo abençoou”. Nós, batizados, não estamos no mundo para abençoar quem rouba ou mente. Nossa exigência tem que ser do mais alto nível. Só assim o país irá sair da miséria. Aliás, nossa maior miséria são os nossos ideais. Como nossos ideais são baixos!

       Acostumamos com o ruim e o péssimo e quando nos apresentam o “mais ou menos” ficamos satisfeitos. Somos uma nação medíocre em tudo (e hoje em dia até no futebol): na renda financeira, nos sonhos e até na vivência de nossa fé. Quando iremos acordar para uma vida plena? “O ladrão não vem senão para furtar, matar e destruir. Eu vim para que as ovelhas tenham vida e para que a tenham em abundância” (Jo 10,10). Hoje, mais do que nunca, devemos imitar o povo de Israel, quando o mesmo se encontrava em grande desgraça: Clamava misericórdia a Deus e o perdão pelos seus pecados!!! No livro dos Juízes, sempre que Israel se encontrava em dificuldades, o povo clamava a Deus e Deus suscitava, em uma das doze tribos, um israelita para liderar seu povo contra o inimigo. Hoje, nosso juiz e salvador é Cristo Jesus, ainda desconhecido pela maioria dos brasileiros. Enquanto o Brasil continuar a viver um cristianismo milagreiro ou marxista, iremos continuar nas mãos daqueles que roubam, matam e destroem.

 

Fernando Emerick

Fundador da Com. Amigos de Jesus

Please reload

                  ARTIGOS                 

Matrimônio, Fruto da História da Salvação (Parte III)

May 6, 2019

1/4
Please reload

Please reload