Os jovens, a fé e o discernimento vocacional

O título deste artigo, foi o tema do último Sínodo dos bispos, que ocorreu no mês passado, de 3 a 28 de outubro, no Vaticano, com a presença de bispos e jovens de diversos países, com o Papa Francisco. Um comunicado divulgado pela Sala de Imprensa da Santa Sé, destaca que esse tema pretendeu reforçar a “importância pastoral que a Igreja dá aos jovens”.


Para entender melhor como foi realizado o sínodo dos jovens, é importante entender como acontecem os sínodos, como e por quem surgiu. Apresento, portanto, uma breve explicação sobre sua elaboração, desenvolvimento e conclusão.

O Papa convoca um sínodo quando julga necessário que a Igreja estude em profundidade algum assunto. Os sínodos ordinários acontecem a cada quatro anos, mas, o Santo Padre pode convocar sínodos extraordinários quando desejar, como aconteceu com os dois sínodos sobre a família convocados pelo Papa Francisco em 2014 e 2015.

O caminho pré-sinodal é intenso. Uma das tarefas mais importantes é a redação do “Instrumentum laboris”, texto que apresenta as linhas gerais, é a referência daquilo que será discutido. Esse documento é o resultado da pesquisa que inclui um questionário com perguntas enviadas a todas as dioceses do mundo. No caso do Sínodo dos Jovens, houve um questionário online respondido por milhares de jovens em todo o mundo. Nesse sínodo, fui uma das que respondi o questionário, ele ficou disponível em um site, acessível a todos os jovens de 18 a 29 anos, que se interessaram em responder e dar sua contribuição.

O “Instrumentum laboris”, é que norteia os bispos, pois, foram as respostas de jovens do mundo inteiro que formaram esse belo material. Nesse documento, ficou muito evidente algo em comum nos jovens do mundo inteiro: o desejo de ser feliz, a busca de sentido para a vida e a luta contra o mal.

Inicia-se então o sínodo, onde através de partilhas, testemunhos e partilhas de experiências, os participantes da Assembleia sinodal contribuem, divididos em grupos por línguas. Nesse sínodo, nas três semanas de debates, participaram: 267 Padres Sinodais, 23 especialistas e 34 auditores jovens de 18 a 29 anos, cuja voz foi a representação de seus coetâneos no mundo.

Os trabalhos realizados em grupo, conclui a segunda parte do Instrumento laboris. Após o término do sínodo, o Papa escreve um documento chamado Exortação Apostólica, que traz aquilo que foi refletido na assembleia e os direcionamentos que o Santo Padre apresenta para o caminho da Igreja relativo ao tema tratado. Esse documento influencia diretamente nas ações nas dioceses, paróquias e comunidades.

O Santo Padre presidiu a canonização de 7 nove santos, durante o sínodo. Destaco 3 deles nesse artigo, o Papa Paulo VI , que implantou o Concílio Vaticano II e também, que instituiu em 1965, o Sínodo dos Bispos. Dom Oscar Romero um santo puramente Latino Americano, que derramou o seu sangue no altar de Cristo e um Santo leigo jovem, São Nunzio Sulprizio, que em 1980, foi proposto pelo Papa Leão XIII como modelo para os jovens.

Aguardo ansiosa a Exortação Apostólica desse sínodo, pois, através dela poderemos seguir o que a Igreja nos pede, tanto para evangelizar a juventude, quanto para viver nessa etapa importante da vida. Peço a intercessão de São Paulo VI, São Oscar Romero e São Nunzio Sulprizio, pelos jovens do mundo inteiro e que cada um, possa ser acolhido e fiel no seguimento da Igreja de Cristo.


Priscila Tuany

Comunidade Amigos de Jesus

                  ARTIGOS