Família Martin, exemplo e modelo para as famílias modernas (Parte IX)

FAMÍLIA MARTIN:

Os frutos da união

Uma a uma, as meninas Martin ouviram ressoar em seu coração o chamado a uma vida consagrada. As filhas conseguiram viver aquilo que seus pais tanto sonharam e não conseguiram, entregar-se em uma vida religiosa, uma vida escondida onde amar a Deus é o início e fim de tudo.

Santa Teresinha do Menino Jesus, que foi declarada em 1957, pelo Papa Pio XI à “Patrona Universal das Missões Católicas” e pelo Papa João Paulo II em 1997, como doutora da Igreja, foi a filha caçula do casal.

Teresa reconhecia que ela, era apenas o fruto da sua família, ao contar sobre o seu brasão: “A árvore verdejante é a família bendita no seio da qual a florinha cresceu”[1]. E afirma em outro escrito: “Deu-me Nosso Senhor um pai e uma mãe mais dignos do Céu que da terra”.[2] Luís e Zélia souberam ordenar o lar, preservando as filhas de todas as forças que pudessem desviá-las dos caminhos retos e conduzindo-as ao descobrimento de suas vocações, cumpriram o que a Igreja determina na Exortação Familiaris Consortio:


“A família deve formar os filhos para a vida, de modo que cada um realize plenamente o seu dever segundo a vocação recebida de Deus. De facto, a família que está aberta aos valores do transcendente, que serve os irmãos na alegria, que realiza com generosa fidelidade os seus deveres e tem consciência da sua participação quotidiana no mistério da Cruz gloriosa de Cristo, torna-se o primeiro e o melhor seminário da vocação à vida consagrada ao Reino de Deus.”


Luís e Zélia viveram tentando descobrir os desejos de Deus para suas vidas. A vida monástica os atraía, mas, Deus tinha sonhos maiores, fizeram deles uma “pequena fábrica” de consagradas, uma escola de santidade, um santuário da vida. A Família é um santuário onde Deus reina, uma escola onde as almas se elevam, uma cidade onde a raça se refugia.

Priscila Tuany Silva Graciano

Com. Amigos de Jesus

<< PARTE VIII | PARTE X (FINAL) >>

[1] FACE, S. T. D. M. J. E. D. S. História de uma alma. 16. ed. São Paulo: Paulus, 1979.

[2] Idem 27.

                  ARTIGOS